▸ Acompanhe nas redes

NOTÍCIAS / politica
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

11.09.2018 - 18:05  |  RECURSOS DO FUNDEB

Consulta ao TRE para dar abono a professores é “prática eleitoreira”, afirma Serafim

Assessoria de Imprensa

Serafim defendeu, em março, reajuste de 28% para os profissionais da educação, mas o governo só queria dar 4% de reposição salarial

Serafim revela "erro" do governo Amazonino na gestão dos recursos do Fundeb, por ter guardado em caixa R$ 450.279.254,57, correspondente a 34,81%, quando o limite é 5%
 

O deputado Serafim Corrêa (PSB) definiu como “prática eleitoreira” a ação do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação do Amazonas (Seduc), de propor o pagamento de abono aos professores e pedagogos da rede estadual, com recursos do Fundeb, às vésperas da eleição.

 
A Secretaria divulgou no dia 5 de setembro que pediu autorização do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) para pagar abono aos professores ainda neste mês de setembro.
 
“O que ele está querendo fazer é uma prática eleitoreira às vésperas da eleição. É lamentável que isso esteja acontecendo, professor não pode ser massa de manobra de campanha eleitoral, e o que o governo está querendo fazer é exatamente isso: transformar aquilo que é de direito do professor em um favor”, avalia Serafim.
 
Durante o discurso no pequeno expediente da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), nesta terça-feira (11), o deputado lembrou que, no mês de março, defendeu reajuste de 28% aos profissionais da educação, enquanto o governo oferecia apenas 4%.
 
“Demonstrei, através dos números do Fundeb, que era possível que o governo desse a reposição salarial completa aos profissionais da educação. Depois de muita confusão e 40 dias de greve, foi dado 27% parcelado de três vezes. O resultado disso é que sobrou dinheiro do Fundeb, pois em 30 de junho havia em caixa R$ 450 milhões, isso daí foi o que o próprio Governo do Estado informou para o FNDE. Então, se havia R$ 450 milhões, como que eles dizem agora que só tem R$ 86 milhões?”, questionou o parlamentar
 
Havia em 2017, no mesmo período, R$ 236 milhões de recursos oriundos do Fundeb, e foi dado um abono de R$ 7 mil por cadeira de 20h. Agora, a proposta do Governo do Amazonas é de conceder abono de R$ 2.750 mil para profissionais com a mesma carga horária.
 
“Como que querem conceder esse valor? Agora a Seduc tem mais que o dobro desse dinheiro em caixa. Isso não é favor, é obrigação. O Fundeb existe para garantir salários dignos aos professores, para que eles possam dar uma melhor educação as nossas crianças”, concluiu Serafim.
 
 Confira os números
 
 
 
 

MAIS NOTÍCIAS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Publicidade
Publicidade
Publicidade

CURTA-NOS