▸ Acompanhe nas redes

NOTÍCIAS / geral
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

11.03.2019 - 18:00  |  Aula Magna da Esmam

Mauro Campbell fala sobre impactos da judicialização da saúde no Brasil

Assessoria de Imprensa

 

De 2008 a 2015, os gastos com cumprimento de decisões judiciais para aquisição de medicamentos e insumos no Brasil chegaram a quase R$ 1,5 bilhão, de acordo com o ministro Mauro Campbell Marques, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), citando o impacto da judicialização da saúde no País. O magistrado abordou o assunto durante a Aula Magna 2019 da Escola Superior da Magistratura do Amazonas (Esmam), realizada na manhã desta segunda-feira (11/3), em Manaus. Ele citou também que, no período de 2010 a 2015, mais de 53% desses gastos se concentraram em apenas três remédios e estes não faziam parte da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais.
 
A judicialização da saúde envolve questões como o fornecimento de remédios, disponibilização de exames de saúde e tratamento de doenças que acabam indo parar na Justiça. A Constituição Federal diz que a saúde é direito de todos e dever do Estado. E a judicialização acontece quando essa prestação de serviço falha, tanto pelo setor público quanto pela iniciativa privada.
 
Na palestra, o ministro abordou também que há predominância de ações judiciais que tratam de mecanismos “curativos da doença” como medicamentos e tratamentos, “e não sobre instrumentos preventivos”. Disse que as disputas judiciais envolvendo saúde geralmente são individuais e a taxa de sucesso é alta, pois muitas se referem a itens que deveriam ser fornecidos regularmente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
 
Demandas
 
O ministro acrescentou ainda dados do levantamento feito pelo Conselho Nacional de Saúde (CNJ), na 13ª edição do Relatório Justiça em Números, no qual ficou demonstrado que as demandas de saúde, considerando os processos ajuizados até janeiro de 2017 e em trâmite nas primeira e segunda instâncias e no STJ, totalizavam mais de 1 milhão de ações.
 
“O novo diagnóstico numérico indica que existe uma explosão de novos processos de judicialização da saúde no Brasil. As medições anteriores apontavam em 2011 um quantitativo de 240 mil; em 2014, subiu para 392 mil; um ano depois, 2015, pulou para 854 mil; e hoje estamos com mais de 1,5 milhão de processos em tramitação, segundo o CNJ”, declarou.
 
Nesse contexto, conforme o ministro, o papel do Poder Judiciário acaba sendo de um protagonista “diante de falhas evidentes das políticas públicas adotadas pelo Executivo”. Na sua palestra, o ministro ressaltou o direito à saúde, assegurado pelo art. 196 da Constituição Federal de 1988. “O preceito é claro em definir que a assistência à saúde é um direito de todos e dever do Estado. A questão relacionada à efetiva implementação pelo poder público do direito à saúde como instrumento de justiça social envolve peculiaridades inafastáveis, sobretudo na nossa região Amazônica, pois estão ligadas diretamente aos direitos fundamentais do cidadão”, ressaltou Marques.
 
O ministro ponderou também sobre a complexidade que envolve o tema – de um lado está um cidadão doente e, do outro, encontra-se o Estado, muitas vezes sem recursos financeiros.
 
“A grande carência econômica e social da população conduz à intervenção do Estado. O Poder Público providenciará a aquisição de medicamentos e atendimentos necessários à tutela dos direitos fundamentais; ao mesmo tempo, a carência de recursos financeiros do Estado leva à necessidade de providências mais eficientes e razoáveis de modo a otimizar os gastos públicos – atribuir ao Estado o dever de promover a saúde não autoriza, por consequência, o desperdício de recursos, a gestão inadequada de verbas e a opção por medidas inúteis e inócuas”.
 
O ministro abordou ainda a importância da adoção de ações preventivas na área de saúde, prevista na Constituição Federal, e ressaltou que os direitos sociais não podem ficar condicionados à “boa vontade” do administrador. E ponderou que o descumprimento do dever do Estado acarreta a “desarmonia na ordem jurídica”, merecendo a correção judicial, “sob pena de transformar em letra morta os direitos sociais previstos no texto constitucional”.
 
Ao longo da palestra, Mauro Campbell mencionou outros desafios como a tecnologia e os avanços na Medicina e apresentou decisões de ministros em relação ao tema.
 
 Aula Magna
 
 
A solenidade foi aberta pelo presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), desembargador Yedo Simões (foto acima), que agradeceu a disponibilidade do ministro em abordar um assunto que vem sendo muito discutido pelo Judiciário em todo o País.
 
“Hoje a Medicina se tornou muito cara e alguns procedimentos não são alcançados por pessoas de baixa renda e por isso também procuram o Judiciário, situação que acontece em todo o País. O debate sobre esse tema é de extrema importância para que se possa unificar procedimentos”.
 
Yedo Simões comentou ainda que há casos em que o pedido do remédio, tratamento ou exame não está dentro do orçamento do Estado, "às vezes até por não ter uma rubrica própria para determinada doença, então, quando a Justiça determina, o Estado poderá inclusive justificar o cumprimento dessa ação perante os órgãos competentes”, explicou o presidente.
 
 
O governador do Amazonas, Wilson Lima (foto acima), compareceu ao evento e, à imprensa, elogiou o trabalho realizado pela Escola Superior da Magistratura do Amazonas (Esmam) na formação dos operadores do Direito, mencionando os problemas enfrentados pelo Estado na área da saúde.
 
“Todos sabem do grave problema que o Estado vem enfrentando e estamos trabalhando para dirimir algumas situações e a Justiça tem um papel fundamental nesse processo porque alguns tratamentos o Estado não possui rubrica para isso. Temos um passivo significativo e um desafio muito grande pela frente”, declarou o governador.
 
 
O diretor da Esmam, desembargador Flávio Pascarelli (foto acima), agradeceu a presença do ministro e também ao presidente do TJAM pelo apoio aos projetos da escola, citando alguns como o lançamento da Revista Acadêmica até abril deste ano; a criação do Portal da Biblioteca, que trará novos serviços e produtos para os operadores do Direito, dentre eles a biblioteca digital e Revistas dos Tribunais, onde o usuário poderá acessar eletronicamente os conteúdos jurídicos, sem custo adicional; e a implantação da Secretaria Virtual, que oferecerá um Portal de Atendimento Virtual ao aluno e visitantes da escola.
 
Participaram da cerimônia o procurador-chefe da União no Amazonas, André Petzhold Dias; o juiz Cássio André Borges, presidente da Associação dos Magistrados do Amazonas (Amazon); o deputado Serafim Corrêa, representante da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam); o procurador-chefe do Ministério Público Federal no Amazonas, Edmilson Barreiros; os titulares da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas (OAB-AM) e da Associação dos Notários e Registradores (Anoreg-AM), Marco Aurélio Choy e Marcelo Lima Filho, respectivamente; além dos representantes da Justiça Federal, Marcelo Pires Soares, da Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM), Antonio Cavalcante, da Câmara Municipal de Manaus, vereador Fred Mota, da Prefeitura Municipal de Manaus, Rafael Albuquerque, e do Ministério Público, André Seffair.
 
No evento desta segunda foram arrecadadas 711 fraldas descartáveis infantis, doadas pelos participantes da aula magna. Todas as fraldas serão entregues às instituições filantrópicas de Manaus, cadastradas junto à Coordenadoria da Infância e Juventude do TJAM, e que atendem crianças em situação de risco ou de vulnerabilidade social.

MAIS NOTÍCIAS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Publicidade
Publicidade
Publicidade

CURTA-NOS