▸ Acompanhe nas redes

NOTÍCIAS / politica
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

16.10.2018 - 18:05  |  Energia

Serafim defende reforma do modelo energético com foco no uso da energia eólica e solar

Foto: Ney Xavier

Serafim defende mudança no modelo energético

 

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) defendeu  na manhã desta terça-feira, 16, investimentos na geração de energia solar no Estado e apontou a necessidade de se rediscutir a distribuição do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nos estados sobre o consumo da energia elétrica.

Em breve pronunciamento Serafim lembrou que  o modelo energético brasileiro é em sua grande parte hidrelétrico e precisa ser discutido, principalmente na Amazônia, onde temos sol durante o ano inteiro. 

“Estamos assistindo a uma campanha política que exige um tema que é muito relevante para o Brasil, mas atinge uma relevância maior para Amazônia: a questão do modelo energético brasileiro, que ainda é o hidrelétrico. No Sul e Sudeste não tem mais água e a geração de energia elétrica oriunda da água terá de ser produzida na Amazônia”, disse.

 
O parlamentar ainda lembrou que além do problema ambiental na Amazônia, devido a produção de energia elétrica, também há a questão do ICMS.
 
Serafim explica que o consumo de energia elétrica no Amazonas ainda é pequeno e que grande parte dessa energia vai para o Sudeste, onde abastece estados como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Mas, pela regra do ICMS, os estados consumidores é que ficam com o imposto.
 
“Isso é um nó que precisa ser resolvido e discutido agora. Precisa ser solucionado de acordo com as discussões do primeiro ano de governo, seja quem for o próximo Presidente da República. Todos nós entendemos que é a hora também da energia eólica e da energia solar. Eólica principalmente no Nordeste que tem muito vento e a solar na Amazônia, onde temos sol o ano inteiro. São alternativas viáveis e o Brasil precisa encarar tudo isso porque sem a energia, não temos possibilidade de crescer e sem crescimento não temos como enfrentar a grave crise econômica e social que nos estamos passando”, concluiu.
 
 

MAIS NOTÍCIAS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Publicidade
Publicidade
Publicidade

CURTA-NOS