Quinta-feira | 19/09/2019
▸ Acompanhe nas redes

DIRETO AO PONTO
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

10/05/2019 - 21:20

A quem interessa amordaçar a Receita?

arte

 Por que querem tornar sem efeito o combate à corrupção?


Por Warnoldo Maia de Freitas
 
Tem muita gente querendo saber por que tantos congressistas estão empenhados em colocar mordaças, impedir o pleno trabalho da Receita Federal no combate à corrupção no país, bem como esvaziar as ações do Coaf.
 
Será que tais manobras foram provocadas pelo trabalho realizado pela Receita Federal a partir de 2014, quando passou a identificar o enriquecimento ilícito de agentes públicos que detêm poder?
 
Retrocesso
 
A aprovação do trecho que limitou a atuação dos auditores da Receita Federal, na Medida Provisória 870, da reforma administrativa, representa um retrocesso, destinado a dificultar o trabalho dos auditores, porque proíbe que esses profissionais comuniquem às autoridades competentes indícios de crimes encontrados nas análises de movimentações financeiras dos contribuintes.
 
Na contra-mão
 
Muitos políticos deixam claro com suas condutas que estão na contramão dos interesses dos eleitores, atuando para enfraquecer medidas destinadas a colocar na cadeia quem atenta contra os cofres públicos, porque a população já deu mostras claras de que não suporta mais ver tanta corrupção no país e quer e cobra medidas destinadas a acabar com essas práticas nefastas para a economia nacional e o futuro do país.
 
Ultrapassando limites
 
A julgar pelos fatos o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), estava com a razão, quando revelou em 2016 o seu assombro diante do volume de denúncias que estavam despontando com a Lava Jato, falou sobre “delinquência generalizada” e disse que “a corrupção ultrapassa tudo o que seria imaginável”.
 
Lucidez
 
Lúcido, Barroso destacou que “a grande contradição é que nós dependemos de mudanças que têm que vir do Congresso”. 
 
Ferrarini aponta retomada
 
O presidente da Junta Comercial do Estado do Amazonas (Jucea), Ênio Ferrarini, afirmou na quinta-feira, 09 na Assembleia Legislativa do Estado (Ale-AM) que a economia amazonense dá sinais de retomada.
 
Para justificar o seu argumento destacou que nos primeiros três meses deste ano o número de registro de novas empresas cresceu 35% no comparativo direto com igual período do ano passado.
 
Benefícios
 
Ao falar sobre o processo de modernização pelo qual passa a Jucea, Ferrarini destacou também as vantagens do novo sistema de atendimento para os habitantes do interior do Estado, que não precisam mais se descolar até Manaus para legalizar suas empresas, porque podem fazer tudo pela internet.
 
Será?
 
Ferrarini tem certa razão ao defender a modernização dos processos de atendimento ao empreendedor, porque, afinal de contas, quem empreende ajuda a gerar emprego e renda e a distribuir riquezas, mas peca por excesso de otimismo ao dizer que agora tudo poderá ser resolvido pela internet, de forma 100% eletrônica, porque todos nós sabemos que o serviço de internet no interior é bastante precário.
 
Na torcida
 
Vamos torcer para que logo,logo a situação melhore de verdade, porque se na capital o serviço prestado é ruim no interior é infinitamente pior.
 
Suframa assina Livro de Ouro do Japão
 
O superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, assinou nesta sexta-feira, 10, na sede do Consulado Geral do Japão em Manaus, o Livro de Ouro, em celebração à ascensão ao trono do novo Imperador do Japão, Naruhito. 
O documento, no qual é possível deixar mensagens ao novo ocupante do trono nipônico, será encaminhado ao Japão ainda neste mês de maio.
 
O Livro de Ouro já recebeu mensagens de outras autoridades e está aberto a contribuições após a abdicação ao trono do Imperador Akihito, por motivos de idade, e sua sucessão pelo seu filho, o então príncipe herdeiro Naruhito. 
 
Com a alteração, chegou ao fim da era Heisei ("culminação da paz") e inicia a era Reiwa ("bela harmonia"). 

VEJA MAIS

Publicidade
Publicidade
Publicidade

CURTA-NOS