Segunda-feira | 14/06/2021
▸ Acompanhe nas redes

NOTÍCIAS / politica
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

09.06.2021 - 20:00  |  Contradição

Incoerência de Wilson Lima preocupa vovó Cacilda

Reprodução

Wilson Lima

 Vovó quer saber se o governador é sempre assim: fala uma coisa em público, mas em particular faz outra

 
Por Warnoldo Maia de Freitas

Ao acompanhar como faz todos os dias as notícias nas redes sociais, vovó Cacilda FRANZIU O CENHO diante da expressão mais nítida da incoerência, ausência de nexo e de lógica manifestada em vídeo pelo governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC/AM) para todo mundo ver.

Sem meias palavras, Wilson Lima fez questão de destacar que é o principal interessado que a Polícia Federal esclareça as acusações de corrupção contra ele, investigadas pela Operação Sangria. Mas, por outro lado, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF), para obter um habeas corpus para não ir depor na CPI do Senado, comandada pelo seu padrinho político, o senador Omar Aziz (PDC), ou, se for obrigado a ir, poder ficar calado durante o provável depoimento.

"Será que o governador está com medo de sair preso do Senado?, questiona, destacando que a população amazonense quer saber se o governador é sempre assim: em público fala uma coisa, mas em particular faz outra totalmente diferente.

Vovó Cacilda também manifestou-se preocupada com relação ao pagamento da banca de advogados encarregados de atuar na defesa do chefe do Executivo amazonense.

"Como muita gente sabe, o salário de um governador no Amazonas é de R$ 35 mil por mês e esse valor não dá nem para fazer cocégas nas mãos dos operadores do Direito que estão atuando no caso, que, segundo já foi dito na Assembeia Legislativa, não cobram menos de R$ 2 milhões para atuar em um caso como esse" disparou.

Vovó Cacilda disse que não está entendendo nada, porque no vídeo divulgado o governador diz que não deve nada a ninguém e não tem o que esconder. Mas, a sua conduta diz justamente o contrário.
 
"Ele precisa entender que só a verdade o libertará", observa.

Vovó Cacilda quer saber, ainda, por que três secretários de Saúde da gestão Wilson Lima foram presos durante as operações colocadas em prática pela Polícia Federal para apurar as denúncias de desvios dos recursos destinados a salvar vidas no Amazonas.

"Será que os três pegaram aquela doença famosa que provoca a destinação dos recursos da saúde para maus caminhos?", questiona, ressaltando que essa história da turma meter a mão nos recursos públicos do estado e ficar sem punição precisa acabar.

Segundo ela, todas as acusações e suspeitas precisam ser investigadas e os culpados devidamente punidos na forma da lei. 

"Tem um ditado popular que diz: Quem não deve, não teme", lembra.
 
A analisar o chamado dito popular, Vovó Cacilda quer saber se, por tratar-se de um período composto, cabe dizer que a pessoa pode apresentar, também, duas condutas.
 
"Sim, porque o sujeito da gramática é também um sujeito político, que se afirma por meio da negativa, do que não fez", completa.  
 
 
 
  
 
 

 

 

 

 
 
 

MAIS NOTÍCIAS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Publicidade
Publicidade
Publicidade

CURTA-NOS