▸ Acompanhe nas redes

NOTÍCIAS / politica
Enviar por e-mail Compartilhar Imprimir

18.02.2021 - 16:50  |  Retomada

Josué defende reabertura das academias de atividades físicas no Amazonas

Assessoria de Imprensa

Josué defende a flexibilização

Josué ouve demandas dos profissionais das academias e defende reabertura no Amazonas
 
O vice-presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Josué Neto (Patriota) defendeu, nesta quinta-feira (18), a reabertura das academias que seguem os protocolos de prevenção da Covid-19. O parlamentar recebeu profissionais do setor que afirmam estar passando grandes dificuldades financeiras e questionam o motivo das academias estarem fechadas mesmo sendo consideradas atividades essenciais no Estado. 
 
Durante a reunião o presidente da Associação dos profissionais de Educação Física do Estado do Amazonas (Apefam), Antenor Felizardo, pediu que o Parlamento mediasse a flexibilização das atividades das academias e similares. Segundo ele, existem cerca de 500 academias regularizadas e cadastradas no Conselho Regional de Educação Física da 8ª Região que tem condições de funcionamento.
 
“Havendo possibilidade de retorno faremos uma campanha junto aos profissionais para que atuem de maneira a seguir os protocolos de segurança”, afirmou. 
 
O Josué Neto informou que a Lei que regulamenta as academias como atividade essencial foi alterada durante a sua tramitação no Poder Legislativo e que “apesar de ser essencial o Governo do Estado é quem define se a academia abre ou não abre”. Mas avalia que assim como o comércio, é possível abrir as academias adotando medidas de prevenção à Covid e que por isso vai encaminhar requerimentos ao Governo do Estado.
 
Saúde
Para Josué, manter as academias abertas é uma questão de saúde física e mental, porque a prática de exercícios aumenta a imunidade e combate fatores que podem ocasionar depressão.
 
“ Muitas pessoas são contra as atividades das academias porque avaliam que a atividade física é para estética, quando na verdade a estética é uma consequência da atividade física que tem como prioridade a manutenção da saúde física e mental”, afirmou.
 
Fome
O professor de Educação Física, Edinaldo Marques, que esteve na Sessão para pedir a abertura das academias – em uma Cessão de Tempo do deputado Delegado Péricles – informou que com os estabelecimentos fechados muitos profissionais do setor estão passando necessidades. 
 
“É uma classe que não está tendo condições de manter seus ganhos. O distanciamento, isolamento, precisa ser feito de forma inteligente. Os profissionais de educação física estão passando fome. Temos hoje mais ou menos 13mil profissionais, a maioria passando necessidades, porque 85% desses profissionais são autônomos e com as academias fechadas esses profissionais não encontram recurso pra poder se manter. Existem pessoas que estão passando fome real” , afirmou. 
 
Na mesma Sessão, o deputado João Luiz defendeu a criação de um auxílio emergencial para os profissionais de educação física e cultura com a verba que seria destinada ao Carnaval.
 
 

MAIS NOTÍCIAS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Publicidade
Publicidade
Publicidade

CURTA-NOS